quinta-feira, 19 de maio de 2016

Diário de viagem: Desbravando Ouro Preto.

Como prometido, voltei para terminar com os lugares que podem ser visitados em Ouro Preto e que eu gostei de visitar. Semana passada saiu o primeiro post com várias dicas iniciais dessa cidadezinha e aproveitei para falar de vários lugares que eu fui e acho que vale a pena a visitação. Tem muito lugar bacana por lá, vale a pena dar uma olhadinha também. Hoje vamos focar nas igrejas que são muitas e preferi deixar para falar das principais em um post só. 

Igreja São Francisco de Assis: união dos trabalhos de Aleijadinho, Antônio Francisco Lisboa, e o mestre Athaíde. Essa igreja teve a sua construção iniciada no ano de 1766 e se estendeu até meados do século XIX, em que Aleijadinho elabora o projeto da fachada, decoração em relevos e a talha dourada, e Athaíde pelas pinturas. É uma igreja católica construída em estilo barroco e com elementos decorativos do rococó.

Em 2009, ela foi declarada uma das sete maravilhas de origem portuguesa no mundo. Essa igreja é realmente bela por dentro e se você não quer visitar muitas igrejas, visite essa. Pense que você vai ver dois movimentos artísticos (barroco e rococó) em um só lugar e ela fica pertinho da Praça Tiradentes. Para conhecer um pouco da igreja no seu interior e a sua fachada aperta o play.

Ela está localizada entre montanhas, grande característica de Ouro Preto, e é possível tirar fotos lindas do lado de fora. Eu tive a sorte de pegar essa lua cheia surgindo no fim de tarde.

A igreja funciona de terça a domingo, das 8:30 às 12hs e de 13:30 às 17hs. Os ingressos custam R$10,00 e R$5,00 (para estudantes, idosos e crianças). Crianças até 7 anos não pagam.

E bem na frente da igreja São Francisco de Assis encontra-se a Feira do Largo de Coimbra, que é um excelente local para encontrar várias peças em pedra sabão, lembranças e peças para decoração. As feira é permanente e as peças ficam no local durante a noite e não são roubadas.

Basílica Nossa Senhora do Pilar: conhecida pela grande quantidade de ouro nos altares (foram consumidos mais de 400 quilos de ouro e de prata em pó) e a riqueza de detalhes de seus retábulos. Ela é considerada um dos maiores símbolos do barro mineiro e se distingue por sua nave em forma de um polígono de oito lados. Nos seis altares laterais estão representadas cada uma das irmandades e grupos sociais da época, quatro deles são inteiramente cobertos de ouro. É possível conhecer um pouco das características arquitetônicas da igreja, dos altares da nave, da capela-mor pelo site da própria Basílica.

Foto retirada do Google
Foto retirada do site VejaBH
Igreja Nossa Senhora dos Rosários dos Pretos: essa igreja chama a atenção por sua arquitetura completamente barroca e com formas arredondada: é formada por dois corpos edificados ovais, encaixados um no outro em forma de oito. No interior da igreja, há altares dedicados aos santos gregos e não há tanto ouro quanto nas outras por ser uma igreja construída e frequentada por negros. Apesar de ser uma igreja pequena e simples é bastante interessante a visitação para poder ver as diferenças, os contrastes, entre as igrejas dos brancos e as igrejas dos negros na época. 
Igreja Santa Efigênia dos Pretos: demorou 52 anos para ser construída, de 1733 a 1785, porque foram os escravos que a construíram e eles só podiam erguê-la durante a noite, pois tinham que trabalhar o dia toda. Aleijadinho é apontado como responsável por diversas vistorias da estrutura e ainda um dos principais fornecedores de madeira. É de autoria dele ainda a imagem de Nossa Senhora do Rosário, em pedra sabão, que está no nicho da portaria da igreja.

Na parte externa da igreja o que chama a atenção é o relógio de pedra em uma das torres e que é considerado o relógio mais antigo da cidade. Já na outra torre há apenas um esboço do relógio.

No interior, o altar chama bastante atenção pela quantidade de ouro que é maior que o da Igreja Nossa Senhora dos Rosários. Na pintura do forro da capela-mor é possível observar um Papa Negro. O que também desperta curiosidade é o uso de elementos africanos na decoração, como os búzios, chifres de carneiro e cabra.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo: foi projetada por Manuel Francisco Lisboa, pai de Aleijadinho, e construída com o estilo rococó - a última fase do barroco, menos carregada de ouro. Aleijadinho também interveio nela e os dois altares de São João e Nossa Senhora da Piedade e o lavabo de pedra sabão são atribuídos a ele. Essa é a única igreja mineira que possui os azulejos portugueses na capela-mor.

Ouro Preto possui muitas igrejas, mas tive que selecionar algumas para visitar e também para postar aqui para vocês. Essas são as principais e se você achou que aqui já tem muitas e quer visitas só algumas delas indico a igreja São Francisco de Assis, a Basílica Nossa Senhora do Pilar e uma das igrejas dos negros na época. Eu prefiro a Igreja Santa Efigênia dos Pretos.

Por hoje terminamos aqui, mas a querida Ouro Preto tem muitos outros lugares que podem ser visitados. Venho depois mostrar mais lugarzinhos dessa cidadezinha que tem tanta história. Até mais..

Nenhum comentário :

Postar um comentário